Ultimas Postagens
recent

Macarrão, amigo do ex-goleiro Bruno, vai trabalhar em horta de presídio


Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, condenado em 2012 a 15 anos pela participação da morte de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, irá trabalhar na horta de presídio após ter adquirido direito à progressão de pena e passado para o regime semiaberto.
A nova realidade do ex-braço direito do então goleiro e capitão do Flamengo contrasta com a vida que levava até 2010, no Rio de Janeiro, quando passou a cuidar dos interesses pessoais de Bruno. Na época, Macarrão atuava como um "secretário particular" de Bruno, que ganhava pelo time carioca cerca de R$ 150 mil mensais.
Macarrão organizava as festas e a vida pessoal do ex-goleiro. Os dois ficaram tão próximos que o amigo chegou a tatuar nas costas uma mensagem em homenagem ao goleiro: "Bruno e Maka -- a amizade nem mesmo a força do tempo irá destruir, amor verdadeiro".
No ano em que a ex-modelo desapareceu, Macarrão teve uma guinada na vida, sendo preso e processado como participante do crime.
Alexandre Durão/UOL
Goleiro Bruno e seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, em 2010, presos ainda no Rio de Janeiro
Na sua nova condição, o amigo de Bruno poderá deixar a unidade prisional durante o dia para trabalhar, sob escolta, nas proximidades do Complexo Penitenciário Doutor Pio Canedo, situado na cidade de Pará de Minas, região metropolitana de Belo Horizonte, para onde ele foi transferido. A horta é mantida para consumo interno da unidade prisional.
De acordo com o juiz Pedro Câmara, da Vara de Execuções Criminais de Pará de Minas, houve certa resistência das empresas conveniadas com o presídio em atrelar seus nomes com alguém associado a um caso de repercussão nacional. Além disso, ele afirmou que, por conta da crise econômica do país, as empresas alegaram também escassez de vagas.
Assim, segundo o magistrado, a forma encontrada de empregar o detento foi a de utilizá-lo nessa função. Macarrão irá receber três quartos do salário mínimo e, a cada três dias trabalhados, poderá descontar um dia da pena. O valor será depositado em uma conta bancária, sendo que ele poderá retirar o valor nas agências conveniadas mediante a expedição de alvará e sob escolta de agentes penitenciários.
O advogado de Macarrão, Wasley Vasconcelos, informou ao UOL que a transferência para Pará de Minas fooi pedida porque a mulher do preso mora na cidade. De acordo com Vasconcelos, ela e Macarrão tem três filhos.
"Ele está tranquilo. A única coisa que ele quer é retornar ao convívio social no que for permitido pela lei. Ele não quer privilégios, mas também não quer ser lembrado sempre como o braço direito do Bruno. Ele quer recomeçar a vida", salientou.
Tiago Ferreira

Tiago Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.